RELAÇÃO DO PROTOCOLO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN PEDIATRIC COM A TAXA DE MORTALIDADE EM CRIANÇAS INTERNADAS COM SEPSE

RELAÇÃO DO PROTOCOLO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN PEDIATRIC COM A TAXA DE MORTALIDADE EM CRIANÇAS INTERNADAS COM SEPSE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55684/2024.82.e015

Palavras-chave:

Sepse, Choque séptico, Pediatria, Protocolos Clínicos, Mortalidade infantil

Resumo

Introdução: Em termos globais, a sepse na infância é uma das causas mais significativas de mortalidade e morbidade. Diversas diretrizes vêm sendo publicadas, objetivando fornecer à equipe médica condutas baseadas em evidências para prover segurança, uniformizar atendimentos e permitir a redução de mortalidade de sepse na pediatria.

Objetivo: Relacionar a aplicação do protocolo Surviving Sepsis Campaign Pediatric com a taxa de mortalidade em pacientes diagnosticados com sepse em hospital pediátrico terciário. 

Método: Estudo quantitativo, exploratório, descritivo, retrospectivo e transversal. Utilizou-se um instrumento de pesquisa para a coleta dos dados relacionados ao perfil sociodemográfico, sintomas iniciais, condutas e desfechos clínicos de pacientes com sepse entre janeiro de 2019 e dezembro de 2020. 

Resultados: Dos 225 pacientes atendidos, 18 (8%) faleceram. Não houve correlação entre tempo de início do antibiótico e mortalidade. Comorbidades hemato-oncológicas e a apresentação inicial de alterações neurológicas e de perfusão correlacionaram-se com óbitos. 

Conclusão: Apesar do tempo de início da administração do antibiótico não ter se mostrado imprescindível para redução da taxa de mortalidade, alguns sintomas iniciais e a presença de comorbidades hemato-oncológicas são alertas para suspeita e diagnóstico precoce da sepse pediátrica. 

Downloads

Publicado

12-05-2024

Edição

Seção

Artigo Original
Loading...