Prognóstico da COVID-19 em pacientes com coinfecção viral: revisão de literatura

Conteúdo do artigo principal

Vitor Itiro ISHISAKI
Amanda Collere MELARA
Carlos WAHL-FILHO
Julia Moura BARONCINI
Júlia Serbena TEDESCHI
Letícia Lopes MACHADO
Mariana Vieira Cavalcante da SILVA
Marina Teixeira de Freitas DIAS
Liya Regina MIKAMI

Resumo

Introdução: Casos de infecção pelo coronavírus surgiram em 2019 e fatores de risco podem conduzir complicações, entre elas, a coinfecção viral podendo comprometer a resposta imunológica e interferir no prognóstico. Objetivos: Analisar estudos sobre coinfecção viral na COVID-19, avaliando prevalência e correlação com seu prognóstico. Métodos: Foram realizadas buscas em bases de dados utilizando os descritores: SARS-COV 2, coinfecção, vírus, coronavírus, e COVID-19. Resultados: Foram selecionados 12 artigos com os seguintes vírus: influenza, HIV e herpes. Apesar da coinfecção com influenza ser pouco prevalente, seu reconhecimento permitiu compreender diferentes manifestações clínicas e tratamento adequado. Já a coinfecção com HIV revelou que pacientes com AIDS não tratada tiveram pior prognóstico. Por fim, a coinfecção com herpes resultou em reativação, com os seguintes tipos associados: HSV-1, HSV-3, EBV, CMV e HHV-6. Conclusão: Não há evidências científicas suficientes para afirmar que a coinfecção com SARS-COV 2 com outros vírus traz pior prognóstico para COVID-19, sendo necessários mais estudos sobre tais interações.

Detalhes do artigo

Seção
Artigo de Revisão